sexta-feira, abril 06, 2007

Conversas de você com você mesmo. - parte 2

Eu não sei definir o que é felicidade. Creio que poucos sabem... mas eu não me encaixo nesse seleto grupo. Quando esse é o assunto em questão, diversos momentos me vêm à tona, porém, é como se eu não soubesse classificá-los, ou não os encaixasse no quesito 'felicidade'. Se me perguntarem quando eu fui mais feliz, diria que é agora, por esses tempos. Tenho tido motivos suficientes para dizer isso. O que não impede que a sensação de ausência te invada... como agora, por exemplo.

Desconfie de todos. Principalmente de você mesmo. Eu não sei o que eu sou capaz de fazer, não posso prever as minhas atitudes, embora já tenho muitas vezes dito que eu nunca faria isso ou aquilo. A cara de anjo pode enganar, assim como a cara de demônio. As pessoas te surpreendem, sempre. Infelizmente, não é sempre para melhor.

Estar rodeado e se sentir sozinho. Essa é uma das frases que se aplica à maioria das pessoas com quem converso a respeito disso. E dessa vez, eu me encaixo nesse grandioso grupo. Estar rodeado, ter vários amigos, sua família por perto, mas ainda sim ter a certeza que você é a sua melhor e pior companhia.

Eu não acredito em promessas. Por mínimas e mais bobas que possam parecer, eu não acredito nelas. Sei o quanto o ser humano pode não atribuir a mesma importância que você a algo. Uma promessa sempre foi algo importante para mim, mesmo sendo banal. Sempre pensei assim: prometeu, que cumpra. Até que o mais freqüente dos meus pensamentos passou a ser: "mas você prometeu...". Não prometa fazer companhia a alguém se você não vai, não prometa dar algo se você não vai, não prometa o que você não vai cumprir. E eu sei que você não vai.

Às vezes eu paro e penso a respeito da separação dos meus pais. O que logo se cessa, pois esse é um dos assuntos o qual eu nunca conseguirei discutir sem que uma lágrima desça pelo rosto. Há perguntas a serem feitas, mas sem a vontade de abrir as feridas.

E logo após essa conversa comigo mesmo divida em duas partes, eu confesso que não cheguei em nenhuma conclusão, embora não soubesse que estava procurando por uma. E ainda não sei se estou procurando por uma conclusão ou qualquer coisa que seja...

9 comentários:

Tiago J. disse...

E como é bom conversar com a gente mesmo..
Interiorizar aquilo que for preciso e deixar que possamos fazre um balanço sempre..

Tenha uma excelente Semana e Boa Páscoa!

Abração!

sampa disse...

nossa, adorei esse blog! e tuas reflexões... conclusões, nunca as temos. melhor assim. abração. ;)

Anônimo disse...

sabe que eu pesno igual a você em certos aspectos, mas a respeito da solidão, o ser humano é dependente de um companheiro, não dá para ser feliz sozinho, é impossivel, não adinat querer negar, ser aceito pelos outros.
talvez a felicidade não tenha definição, talvez seja apenas algo que exista, como tantas outras coisas, talvez seja como a fé... ou melhor dizendo, a felicidade pra mim é como a verdade, a cada pessoa se aplica de uma maneira, a minha felicidade não se aplica a seu mundo, e vice versa, mas tenha certeza disso, mas não desista de encontra-lá, ela existe ;) mas só você vai saber como e quando acha-lá

Ricardo Mantler disse...

Eu converso comigo mesmo o tempo todo. Às vezes perco horas deitado no sofá refletindo sobre mim mesmo, sobre o meu dia, sobre o que fiz e o que deixei de fazer. Um copo de vinho as vezes me acompanha nestas imersões em mim mesmo.

Felicidade? Eu tenho a minha definição. Felicidade é o mesmo que amor próprio. Eu me adoro. Por isto sou feliz. às vezes estou triste, outras vezes alegre. Mas quando paro e olho pra mim eu vejo como sou feliz porque sempre posso mudar meu destino.

Beijos gatinho!

Just a Boy disse...

ah... pensamentos absurdos e ao msm tempo fundamentais q preenchem e e esvaziam nossa cabeça... é impressionante como eles sao cotaditorios e ao msm tempo so concordam em uma coisa, na tristeza...
enfim, estou assim!
abraços rapaz

FOXX disse...

aff
nem sei o q dizer...

FOXX disse...

claro bê
me add ai
lenincampos@hotmail.com

Isaac disse...

"Eu não sei definir o que é felicidade. Creio que poucos sabem... "

Uma coisa é certa: somos, irremdiavelmente, seres desejantes...

"As pessoas te surpreendem, sempre. Infelizmente, não é sempre para melhor."

O Mal é capaz de nos marcar à ferro e à fogo; o bem deixa marcas indeléveis na alma.

"Estar rodeado e se sentir sozinho."

Meu receio de infância: não estar só, mas sentir-me só.

"Eu não acredito em promessas. Por mínimas e mais bobas que possam parecer, eu não acredito nelas. Sei o quanto o ser humano pode não atribuir a mesma importância que você a algo. "

Promessas abalam confianças.

"E ainda não sei se estou procurando por uma conclusão ou qualquer coisa que seja..."

Na Vida, há, inegavelmente, mais perguntas que respostas. Nada é suficiente duradouro, ou definitivo.

Homossexual e Pai disse...

legal seus textos, a historinha do magico de oz, e outros tantos que andei lendo.
mas, sei lá, vejo que vc usa muito o NÃO, Não, Não, vejo vc muito triste, sem esperanças nos outros e em vc mesmo.
Acho muito legal quando alguém divide tam´bem seus momentos dificieis, isto também nos fortalece pois vemos que não estamos sozinhos!
parabens pela sinceridade e pelos textos
abs