sábado, julho 01, 2006

Maiá.

Não vou mentir. Era bom mesmo quando tinha pouco e aquilo era suficiente.
As primeiras horas, os primeiros dias...
Tanta euforia que era impossível pensar no pior. A lembrança sabia manter o sorriso. E o sorriso sustentava a esperança. A esperança garantia o futuro. Mesmo incerto, havia tanta fé depositado nele.
Agora que há tanta expectativa, há também grandes chances de decepções. Um minuto de silêncio é uma eternidade de desconfiança. E qualquer desconfiança serve de estímulo pro serial killer que existe dentro de cada um.
É bem complicado mesmo. Deixa qualquer um por mais equilibrado que seja á um passo da insanidade. É sim, uma delicia.
Ela é o impulso da distância e o aperto no peito.
Dizem que o começo é sempre melhor, mas nunca pensamos assim quando estamos começando.
É quando chegamos lá na frente que percebemos: Drugs! Era tudo tão bom.
Após dias tentando resistir, percebi que amo. Amo mesmo. Todos os seus defeitos. Tudo que em você é errado.E aceito. Aceito como é, como foi, aceito como será. Aceito sem o fundo musical de cinema, aceito com a loucura que me levará por convívio com você.
Aceito seu desleixo e preguiça. Aceito com tanta vontade. Aceito com toda realidade.

[ por Maiá ]

3 comentários:

maiá disse...

Ah, amor!!! Que liiiiiiiindo!!! Tô me achando! hauahauahuahauahaua!!!

Nina disse...

Aceite, mas faz charminho com o que não gostar, hihihihihihi.
Beijo!

Bruno disse...

A expectativa tem de ser dosada senao "as coisas" nao andam como o esperado.
Ótimo texto , se cuida.
Te achei pelo seu orkut.